quinta-feira, 2 de abril de 2015

Recruta Zero, herói da resistência?

Olá.
Depois de alguns dias de marasmo total, as novidades já estão chegando - e creio que afinal conseguirei colocar as coisas no lugar.
Estamos na Semana Santa, e, beirando o dia da lembrança pelo martírio do Homem da Cruz, e na virada de março para abril, chegou às bancas o mais recente gibi do RECRUTA ZERO, lançamento da Pixel Media, selo do grupo Ediouro.
RECRUTA ZERO chega ao número 19, fielmente bimestral. Mas um boato que cerca a editora está alimentando a dúvida: até quando?

É que a Pixel Media anunciou que, por tempo indeterminado, encerrará a publicação do gibi Luluzinha Teen, que era produzido aqui no Brasil. E, logo, espalhou-se que os gibis clássicos de Luluzinha e Bolinha, mantidos pela mesma editora, também seriam suspensos. Verdade? Não sei, mas qualquer coisa eu aviso os leitores.
Bem. Então, anunciamos os destaques do número 19 do almanaque bimestral de personagens da megacorporação King Features Syndicate, estrelada pelo personagem de Mort Walker. Como tem sido desde os números anteriores, intercalando histórias longas do personagem, páginas dominicais e tiras de outros personagens da corporação. Mas, desta vez, vislumbrando uma esperança do retorno do formato que a revista tinha quando foi lançada, ou seja, em forma de coletânea de tiras.
Começando com Zero, na longa história O Calhambeque, uma rara oportunidade de ver o indolente soldado raso e o Sargento Tainha se entendendo após um conflito. Zero resolve comprar um veículo antigo, e já entra em conflito com Tainha, resultando em um pequeno desastre - que o próprio sargento gentilmente resolve. Apesar de vermos o irascível sargento perder a linha duas vezes, e mostrar uma incomum potência vocal, ele chega a firmar uma ainda mais incomum parceria com Zero.
Após uma historinha curta com Hagar, o Horrível (que, como as outras histórias do personagem no gibi, é assinada por Chris Browne, filho de Dik Browne, o criador), Zero de novo, em A Derrapada. Uma demonstração de como se pode tirar o lado bom de uma possível tragédia.
Após uma história curta com Zé Fumaça (que, como as outras histórias da edição, leva a assinatura do atual titular do personagem, John Rose), Zero de novo em O Livro de Piadas. O fato de ver um oficial rindo de uma série de piadas insubordinadas não livra o subordinado de um castigo.
Após um curta do Sargento Tainha, temos A Arca dos Bichos, por Addison (Mort Walker). Mas, desta vez, de forma especial: quatro páginas só de tiras dos personagens, pequenos episódios da vidinha do capitão Boner e dos animais dentro da arca. Será um ensaio para a retomada dos conceitos originais do gibi?
A seguir, Zero, em É Fogo!. O que fazer quando numa simulação de emergência, a situação a ser enfrentada é inadequada... apesar de o seu sargento insistir no erro?
Após outro curta de Hagar, e mais um do Sargento Tainha, temos cinco páginas com o Marinheiro Popeye, quase todas só de dominicais, em Uma Hóspede Nada Especial!. Confusão atrás de confusão quando a famigerada Bruxa do Mar resolve morar na casa de seu maior inimigo, Popeye.
A seguir, Zero de novo, em Sono, ocupando as páginas centrais com uma dominical. Nada perturba o sono do preguiçoso soldado... ou não?
Depois de outro curta de Hagar, Zero de novo em Comédia na Comida. Zero e Quindim tiram algum divertimento do trabalho pesado na cozinha... mas isso não necessariamente os deixa satisfeitos.
Após outro curta do Zé Fumaça, Sargento Tainha em Trabalho na Hora Certa. O gordo sargento em um de seus momentos de ócio.
Depois de mais um curta de Hagar, Zero mais uma vez, em Tom de Voz. Como detectar perigo - ou não - pela entonação da voz de quem vem passar a mensagem.
Outro curta de Zé Fumaça depois, Zero outra vez, em A Reforma. O quartel almeja conseguir verbas para reformar o ginásio de esportes e, graças a um engano do Sargento Tainha, consegue-se mais do que inicialmente se esperava.
Um curta de Hagar depois, Tainha de novo em Hora Certa, mais um conflito entre o velho sargento e o mauricinho Tenente Escovinha. E vocês já saberão, antes do último quadrinho, quem vence...
Depois de mais um curta de Zero, é a vez de Zezé & Cia, na história longa Zozó Apaixonado. O adolescente da família tenta se comunicar com a garota da qual está no momento gostando - e com uma ajuda dos amigos...
Mais um curta de Zé Fumaça depois, Zero de novo em Velho Sentimental. O Sargento Tainha tentando esconder seu lado sensível depois de ver um filme triste.
E o gibi termina com outro curta de Hagar e outro do Sargento Tainha. Deu.
Nas bancas, a R$ 4,90. E não serão os anúncios de aumentos de tributos, pelo governo, que nos tirarão a nossa distração da fila da lotérica!
Para encerrar, como de costume, ponho aqui mais tiras dos meus personagens praianos, os Bitifrendis. O mês está apenas começando, turma. E estas aqui são as tiras que completam a quarta temporada de tiras dos Bitifrendis. A quinta temporada já começou no site deles (http://bitifrendisblog.blogspot.com.br/).
Em breve, mais novidades. E esperamos que sejam realmente apenas boatos o fato de os gibis clássicos da Luluzinha terem sido... suspensos.
Até mais!

Um comentário:

roniere costa disse...

Como comentei no seu post anterior. Os gibis da Luluzinha e Bolinha clássicos foram mesmo cancelados. Eu vi no planeta gibi.