quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Livro: EM BUSCA DE MIM

Olá.
Nestes dias, estamos assistindo às tragédias provocadas pelas chuvas no Sudeste. Não apenas São Paulo, mas também a região serrana do Rio de Janeiro está sendo castigada por chuvas, deslizamentos, casas destruídas, mortes e desabrigados. O ano recém começou, e o Sudeste Brasileiro já começou a se tornar um Haiti. Com a diferença que no Brasil não passam falhas geológicas.
Vendo tudo isso que está acontecendo, resolvo hoje compartilhar com vocês um livro que muito tem a ver com o tema. Indiretamente, mas tem a ver. Resgato nesse momento, da minha estante, o livro infanto-juvenil EM BUSCA DE MIM, de Isabel Vieira.

EM BUSCA DE MIM foi publicado em 1990, pela editora FTD, dentro da coleção Canto Jovem. Foi o primeiro livro escrito por Vieira, e com ilustrações do artista ítalo-brasileiro Michele Iacocca.
Esta história é de ficção, mas é narrado de tal maneira que o drama do garoto Bruno, o personagem principal da trama, parece real, lembrando uma reportagem. Por isso, a história tem uma linguagem simples e fácil de entender.
A trama acompanha a trajetória de Bruno, da alegria à tragédia. Ele é um garoto de classe média alta que mora na grande São Paulo leva uma vida normal: escola particular, amigos, skate, pebolim, microcomputador. Boas roupas, rica e farta alimentação, e o carinho dos pais, o médico Paulo e Malu, que tem uma loja de roupas; e dos irmãos mais velhos, Paulinho e Silvinha. Férias, divertimento, despreocupação. A vida que qualquer jovem pode querer.
Até que, um dia, quando ele ainda tinha 12 anos, ele descobre, depois de uma discussão com dois colegas de escola, algo que faz sua vida mudar para sempre: Bruno, na verdade é filho adotivo de Paulo e Malu. O caso é que isso vinha sendo escondido dele há anos, e apesar de Bruno ser muito diferente dos irmãos - ele, com os cabelos negros e a pele morena de sol; Paulinho e Silvinha, loiros.
Seus pais decidem revelar o que sabem a respeito, diante da angústia de Bruno: ele nascera filho de uma empregada de uma irmã de Paulo. Após o parto, essa mulher, chamada Lucimara, fugiu do hospital, e Bruno, abandonado, foi adotado por Malu.
Apesar de sentir-se amado por pais e irmãos, Bruno toma uma decisão: decide procurar os pais verdadeiros, tentar descobrir sua origem.
Na primeira tentativa, ele foge de casa, e, depois de fazer mil planos, pega carona com um caminhoneiro para Santos. Este caminhoneiro, convencido de que Bruno tinha na verdade dezesseis anos, leva o garoto para a Zona Portuária, e, em uma boate de strip-tease, presencia uma briga, e seu amigo ser gravemente ferido, e escapa por pouco de ser ferido ou assaltado.
Depois dessa viagem frustrada, Bruno retorna para São Paulo. E lá, ele chega à escola de sua tia Marta, onde, depois de uma noite convulsa, é encontrado passando mal sob uma árvore pela mesma, uma mulher bondosa que também se dedica a acolher crianças abandonadas - foi por intermédio de tia Marta que Malu adotou Bruno. E o garoto decide solicitar a ajuda de Marta para saber suas origens.
A partir daí, a vida de Bruno toma um rumo desagradável, enquanto espera por respostas às perguntas sobre seu passado. Os pais tentam fazê-lo sentir-se em casa, mas Bruno sente-se um completo estranho dentro daquele apartamento; o sofrimento do garoto acaba afetando toda a família, apesar de aparentemente nada haver mudado. Apenas a irmã Silvinha parece não se importar com seu sofrimento - afinal, Bruno tem uma boa vida ao lado de sua família, mas está querendo jogar tudo para o ar ao descobrir que "foi achado na lata do lixo", filho de uma mulher pobre e favelada que o abandonou por razões obscuras.
Mas é claro que essa falta de preocupação para com o sofrimento do irmão é apenas aparente. No decorrer da história, Silvinha revela-se importante para ajudar a solucionar os mistérios que cercam o passado do garoto.
No colégio novo onde é matriculado, Bruno porta-se como um delinquente por não conseguir se adaptar, e, após ameaçar um colega com um canivete, leva uma bronca, e, em casa, discute com o pai. Leva deste a única bofetada de sua vida. Mas nada parece resolver para levantar seu ânimo, até que, depois de quase um ano, ele recebe uma notícia: tia Marta localizou, em Minas Gerais, uma parente de Lucimara, sua mãe, e que pode dar algumas pistas sobre seu paradeiro.
Conversando com a mulher, chamada Claudete, Bruno descobre sobre o passado de seus familiares, e o sofrimento destes, gente humilde, trabalhadora, mas que é vitimada pelas péssimas condições de vida. Por exemplo, um parente de Lucimara fora atropelado por uma viatura policial, ficou paraplégico mas os responsáveis nunca pagaram pelo que fizeram. Mais: Bruno descobre sobre o passado de sua mãe, que teve outros filhos antes de Bruno, e também sobre seu possível pai, chamado Francisco. A família fora vitimada por um desabamento de morro sobre seu barraco.
Claudete, entretanto, não contou tudo. Agora, Bruno e Marta precisam localizar outras pessoas ligadas a esse passado: uma delas é a irmã de Lucimara, Rosa, que morava na comunidade de Vila Carioca, em São Paulo.
E assim, de peça em peça, de pista em pista, Bruno vai conhecendo um passado de pobreza e sofrimento, com enchentes, crimes, desabamentos... uma realidade que nos chega sempre pela televisão. Uma realidade da qual Bruno, de certo modo, tinha sido salvo. Porém, um passado que é importante para que Bruno pode traçar seu destino dali para a frente. É a busca de Bruno não apenas pela sua mãe biológica e das razões de ter sido abandonado por ela, mas também de suas raízes. E essa procura o sintoniza com a realidade das periferias.
EM BUSCA DE MIM é quase como uma novela, mas muito mais verossímil. É todo narrado em primeira pessoa - a maior parte, pelo próprio Bruno; porém, três capítulos foram "escritos" por pessoas próximas a ele: tia Marta, que conta do diálogo que ela e Bruno tiveram quando ele foi encontrado sob a árvore; Malu, que, além de contar sobre o encontro entre Bruno e Rosa, revela que adotou Bruno por egoísmo - apenas desejo de ter outro filho; e Paulo, o pai, que relata sobre o possível encontro entre Bruno e Lucimara em Salvador, Bahia.
Isabel Vieira nos deu uma das novelas juvenis mais dramáticas já escritas - mas Bruno poderia ser qualquer um. Estamos felizes de termos comida, abrigo e o que vestir; mas e os "outros", os que vivem abaixo da linha de pobreza? Aqueles que não podem contar com um pai ou uma mãe? Que estão sujeitos a drogas, fome, uma curta expectativa de vida?
Vendo o noticiário de hoje, vemos que a realidade da gente humilde descrita por Isabel Vieira pouco mudou. Por isso, EM BUSCA DE MIM deve ganhar quantas edições forem necessárias. É um livro que vale a pena ser lido e discutido. Ainda mais agora.
Abaixo, uma ilustração tosca (feita sem esboço), elaborada no calor da hora - e ainda por cima, colorizada no computador!!! Bem, nada mudou no Haiti desde janeiro de 2010; e agora, temos a situação aqui no Brasil. Onde é o Haiti?

PARA DESCONTRAIR
Dando fim às lamúrias, e pondo um pouco de motivos para rir depois de uma escrita frustrante, eis aqui mais três tiras de Bitifrendis. Para quem está na praia, despreocupado.Fazendo votos para que a situação no Rio de Janeiro e São Paulo melhore, e não visualizemos dramas como o de Bruno, que apesar de fictício nos parece tão real.
Até mais!

Um comentário:

juliano cesar de oliveira disse...

Oi adorei sua resenha...mas veja o livro que todo Cristão deveria ler....esse livro é benção de Deus, ele se chama reverso... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos..acesse o link e digite a palavra reverso e de uma conferida na sinopse do livro...ha a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?