sexta-feira, 21 de maio de 2010

A folha em branco - uma reflexão

Olá.

"O terrível instante
Antes de escrever, eu olho, assustado, para a página branca de susto".
(Mário Quintana)

Vocês sabem como é estar diante de uma folha em branco na qual deve ser escrita ou desenhada alguma coisa? Talvez sim, talvez não.
É bom refletir sobre o significado do branco do papel. Por isso, aí vai uma citação:

"(...) Se você conhece alguns artistas ou escritores, pergunte a eles sobre o papel em branco. É assustador. Assusta por essa qualidade branca, que é um branco feito de expectativa. Branco significando esperança. Branco significando: 'Quem você pensa que é? Ah!'
É branco significando os prêmios que você vai ganhar como resultado do desenho ou da história que vai pôr na folha de papel em branco. E, mais cedo ou mais tarde, quuando você já esgotou as providências preparatórias, já foi ao banheiro uma vez mais do que era necessário, perdeu seu lápis predileto mas redescobriu-o antes de estar devidamente preparado e agora prendeu-o entre os dedos que se contorcem na antecipação do que está por vir - chega finalmente o momento de o lápis tocar na folha em branco do papel imaculado. E é o fim. O papel não vale mais nada. O traço que você desenha é abominável. O prêmio vai para um outro. Que o merece. Porque aquele artista não tem medo de uma folha em branco."

(FEIFFER, Jules. O Homem no Teto. trad. Carlos Sussekind. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 116-117).

Bem, eu não tenho medo de uma folha de papel em branco. Não mais. Porque, antes de encarar aquela folha que me diz "desenhe em mim e vai se arrepender", eu já tenho uma ideia geral, já tenho na cabeça o que por na folha de papel.
E já disse, muitas e muitas vezes: não gasto tempo, grafite de lápis, látex das borrachas e tinta das minhas canetas ponta de feltro finíssima se não tiver pelo menos um pouco de fé no que vou por no papel.
Como no desenho abaixo, apenas caneta, simbolizando essa vontade de expressar ideias através de traços. Essa necessidade de desenhar, mesmo que seja apenas por desenhar - mesmo que a ideia seja por demais esdrúxula.
Por isso esse desenho se chama O papel.

E é isso.

Até mais!

Um comentário:

Emerson disse...

Parabéns;muito bem escrito o seu blog! A sua resenha da HQ do DIDI (que está na casa dos setenta e lá vai fumaça de anos e ainda assim nas HQs ele aparece com 20 anos de idade...principalmente nesta nova...) estava excelente,talvez até muito melhor a sua resenha do que a revista do DIDI em sí... Mas uma pena que um blog tão bem escrito seja,como estou vendo, pouquíssimo frequentado (pelo menos não ví muitos comentários)! Talvez,só inteligência não seja um bom atrativo...agora,se você tivesse cabelo colorído e estivesse por aí com um sobrenome MOON,aí você iria ver que cada post seu teria ao menos 100 comentários...! Mas,vai se fazer o que ?

abraços e seu blog já está gravado em meus favorítos !

Emerson Camara