sexta-feira, 6 de agosto de 2010

RAIO NEGRO 11

Olá.
Esta semana foi marcada, além do reinício das aulas, pela neve que caiu na Serra do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.
Vocês podem não acreditar, mas caiu neve em São José dos Ausentes, e eu presenciei! É pena que naquele momento eu não tinha uma máquina fotográfica decente para registrar o momento... buá! Mas foi legal presenciar neve depois de mais de dez anos!
Esta semana, também, acabo de receber um novo lote que adquiri de revistas da editora Júpiter 2, do sempre persistente José Salles.
Entre o lote, está a recém-lançada edição número 11 do gibi RAIO NEGRO.
Eis a resenha da edição:


RAIO NEGRO 11
Publicado em julho de 2010.
Nesta edição, Salles volta a editar aventuras clássicas do Raio Negro, publicadas anteriormente nos gibis da Gráfica Editora Penteado - GEP. Nesta edição, duas histórias: na primeira, escrita por Luís Meri e desenhada por Rodolfo Zalla, Raio Negro começa investigando a queda de um OVNI que sobrevoa a cidade de Santos e explode misteriosamente. No local da explosão, fica um estranho ovo, de onde sai uma estranha criatura - um dinossauro que dispara raios e afeta os poderes do herói. Mais um plano maligno de quem? De quem? Ele mesmo, o Capitão Op-Art, o alter-ego de Gedeone Malagola, criador do Raio Negro! Muita gente pode acabar estranhando a arte dessa divertida batalha - o belo traço do mestre Rodolfo Zalla, argentino radicado no Brasil bastante conhecido pelo traço detalhista, detalhado e de linhas finíssimas, é diferente do traço de Gedeone Malagola. Para quem estava acostumado, a princípio pode causar alguma estranheza, mas mostra que outros artistas desenhando histórias de Raio Negro não é de hoje - já que as edições 9 e 10 dos gibis da Júpiter 2 publicaram material inédito do personagem.
A segunda história é a melhor: nela, conhecemos a origem do Raio Negro! Aqui é mostrado como o tenente Roberto Sales é escolhido o primeiro astronauta brasileiro; como, uma vez no espaço, ele encontra Lid, o astronauta de Júpiter que estava em apuros; e como, por recompensa pela ajuda, Sales recebe o anel que o transforma no herói. Sem dúvida, um clássico das HQ nacionais. Roteiro e desenhos de Malagola.
Completando a edição, duas ilustrações (coloridas!): a ilustração da 3a. capa é de Adauto Silva, colorizada em computador com efeito 3D; a da 4a. capa é de Diogo Hayashi; e a capa que vocês vêem aqui é de Renato Rei.
Para adquirir mais este número, ao preço de R$ 3,00 (por menos que isso, você não compra nem um gibi do Superman ou um mangá!), contatem José Salles pelo e-mail smeditora@yahoo.com.br, ou visitem o blog da editora Júpiter 2: http://www.jupiter2hq.blogspot.com/.
Para encerrar, mais uma ilustração minha, desta vez reunindo todos os heróis de Malagola: Homem Lua, Hydroman, Raio Negro, a esposa deste, Marajoara Campos (embora não seja uma heroína, é uma personagem relevante no universo de Malagola), e os membros da Patrulha do Espaço: Capitão Astral, Eletra e Capitão Júpiter.
E no aguardo pela edição número 12!
Até mais!

Um comentário:

Tony Fernandes disse...

Rafa, adorei o seu blog e seus desenhos.
Me diverti muito com eles. Ou seja, com suas versões dos super-heróis. Parabéns!
Boas Festas, bengala friend!